Catarina Furtado. Bofetada de luva branca aos insultos agressivos de Maria Vieira

Mais uma serigaita que há anos vive à custa do erário publico, uma avençada socialista/caviar cujo único ‘talento’ é ler, de longe a longe e mal e porcamente, os telepontos de uns programas medíocres e inúteis e uma lambisgoia que viaja regularmente para outros continentes, para fazer de conta que é muito boazinha e se preocupa imenso com os ‘refugiados’ que vivem lá longe, que decide ‘atacar’ o Dr. André Ventura e o CHEGA.

As palavras de ódio são de Maria Vieira. A atriz atacou Catarina Furtado no final de setembro. Na altura, a apresentadora da RTP reagiu à polémica no seu Instagram, fazendo questão de não descer ao nível dos insultos da atriz.

O silêncio é precioso quando se quer dizer tanta coisa. É de Dante a frase: ‘No inferno os lugares mais quentes são reservados àqueles que escolheram a neutralidade em tempo de crise'”, escreveu Catarina após as ofensas de Maria Vieira.

Cerca de quatro meses depois, Catarina Furtado não esqueceu o ataque de Maria Vieira mas a postura mantém-se inalterada. Em entrevista à ‘TV Guia’, a apresentadora do ‘The Voice’, volta a usar o silêncio como resposta. “O meu nível não é esse”, justificou.

Este terá sido o primeiro ataque público a Catarina Furtado. “Estes tempos são perigosos, e eu só gostava que as pessoas tentassem fazer um esforço para perceber as realidades, os seus contornos, e não se deixarem influenciar e manipular por aquilo que aparentemente vem à rama das notícias. O que está a acontecer é perigoso“, alertou Catarina.

Porém, Catarina acaba por comentar as declarações de Maria Vieira: “Por amor de Deus! Só tenho uma coisa a dizer sobre a Maria Vieira: acho que precisa de ajuda e não é de um partido.”

Mais à frente na conversa, a apresentadora da RTP volta ao caso. O jornalista quis saber se Catarina já tinha tentado falar com ela para esclarecer a polémica. Na resposta, a apresentadora não deixa dúvidas: “Não, coitadinha… A sério. Houve várias pessoas que já foram também o seu alvo: o Ricardo Araújo Pereira, o Nuno Markl. Às tantas este bullying já virou um elogio.”